original

original

domingo, 20 de maio de 2012

As abelhas e a paz mundial


Nós abelhas somos para o planeta as mantenedoras da plataforma da doçura no ecossistema anímico. Não polinizamos apenas as flores físicas mantendo a continuidade da biodiversidade no planeta. Isto é importante mas mais importante é que polinizamos a flor nos corações dos seres com nossa plataforma de doçura, nosso mel espiritual.
Todo ser no planeta vem fazer uma função anímica além da física. A física realiza uma função no equilíbrio ecológico da biosfera para a sobrevivência dos seres. A função anímica é igualmente importante pois toda espécie sustenta uma plataforma de encantamento dos demais seres na energia específica que aquela espécie sustenta para a evolução espiritual de todos. Assim todos os seres contribuem com a mandala de vida e evolução que se faz necessária e isto foi cuidadosamente planejado para que todos aprendessem de todos e cada um desse a sua contribuição.
Nós abelhas somos responsáveis pela energia da doçura. Nosso mel não é apenas nosso alimento físico. Nos alimentamos dele para que estejamos preenchidas de doçura, serviço e disciplina na propagação dessa energia através das flores. Zumbimos essa doçura. Polinizamos as flores com ela. A colocamos nas plantas que serão os alimentos que vocês comem para que alimentem suas almas de doçura. Para que tenham doçura para consigo e para com os demais.
Mas precisamos da integridade de nossas colméias para que possamos fazê-lo. Sustentamos um ambiente protegido como um útero onde produzimos o mel e a energia da doçura para que possamos espalhá-la. Não podemos fazê-lo se humanos invadem nossas colméias todo o tempo para tirar mel. Tampouco podemos fazê-lo em colméias artificiais. Isto é prejudicial para vocês porque se não conseguimos gerar a doçura vocês aumentam a tendência de manifestar guerras entre vocês. A violência aumenta quando não fazemos bem nosso trabalho pelo planeta.
Não é que vocês nunca possam comer mel ou que não sejam absolutamente bem-vindos aos nossos lares. Mas é preciso uma iniciação que nós damos àqueles seres que nós convidamos, geralmente mulheres embora homens com forte lado feminino também sejam aceitos algumas vezes, para que vocês possam tirar o mel sem perturbar nosso trabalho anímico. Este mel dado de boa vontade e não roubado lhes seria muito mais útil como alimento e como medicamento para a alma. Doses mínimas seriam suficientes. Vocês saberão se foram plenamente aceitos na colméia e se o mel lhes será dado se ao chegarem próximo e tocar a colméia não forem picados.
Se isto não acontecer será melhor não comer mel, pois o mel que é retirado sem esta iniciação e permissão os envolve no carma de toda a guerra e violência planetária, ainda que involuntariamente. Compreendemos que vocês não tinham idéia de nada disto, buscavam apenas a doçura do alimento e propriedades curativas. Os produtores de mel buscam produtividade. Mas o caso é que enquanto espécie vocês perderam a capacidade de ouvir a canção da alma, tanto a de vocês quanto a das outras espécies e perderam o entendimento da preciosa e delicada sinfonia que somos todos nós vivendo e compartilhando a experiência em Gaia.
Compreendemos e honramos vocês em sua busca por individualidade e não expomos a importância do nosso trabalho para culpá-los por nos invadirem. Compartilhamos esta informação para que atentem ao fato de que nossa função primordial corre o risco de extinção e diante disto estamos diante da escolha de retornar ao nosso planeta de origem ou chamar a atenção de vocês e tentar ficar ainda um pouco mais. O caso é que nós gostaríamos de ficar e auxiliá-los a passar com doçura e serenidade pela transição da experiência da individualidade para a da auto-responsabilidade amorosa que é a próxima etapa de sua evolução.
Nós os abençoamos em doçura.

A consciência coletiva das abelhas

Nenhum comentário:

Postar um comentário